Entrevista do XpressingMusic à trompetista Susana Santos Silva…

Susana Santos SilvaSusana Santos Silva nasceu na cidade do Porto em 1979. É licenciada em Trompete e em Trompete/Jazz pela ESMAE. Susana é ainda Mestre em Jazz Performance pela Codarts em Roterdão. A nossa entrevistada de hoje tem mostrado a sua versatilidade e virtuosismo em diversos projetos, como por exemplo, a Orquestra de Jazz de Matosinhos e a European Movement Jazz Orchestra. Com o "Quinteto Susana Santos Silva" tocou em diversos locais e eventos tais como, Casa da Música no Porto, Festival de Jazz Valado de Frades, Festa do Avante, Festa do Jazz do S. Luiz e no 12 Points e no Jazz Festival em Dublin em Maio de 2011...

XpressingMusic (XM) – Agradecemos desde já à Susana a amabilidade demonstrada desde a primeira hora para com o XpressingMusic. Gostaríamos de lhe perguntar se recorda o dia em que conseguiu dar as primeiras notas num trompete. Foi logo o seu primeiro instrumento?

Susana Santos SilvaSusana Santos Silva (S.S.S.) – Sim, foi o meu primeiro instrumento. Aprendi as primeiras notas com o meu avô. Tinha 7 anos.

XM – Até chegar à classe do Prof. Reinhold Friedrich, qual foi o seu percurso? Ao longo da sua aprendizagem surgiram, certamente, outros nomes que queira recordar. Pode partilhá-los com os nossos leitores e seguidores?

S.S.S. – Comecei a tocar na Banda Marcial da Foz do Douro aos 8 anos. Aos 10 entrei para o Conservatório de Música do Porto. Quando acabei o Conservatório concorri à Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo e assim cheguei à classe do Prof. Reinhold Friedrich no meu último ano do Curso de Trompete, o qual completei em Karlsruhe em 2004... Um músico incrível e um ser humano que marcou a minha passagem pela escola enquanto instituição académica. Mudou a minha forma de tocar trompete e a minha forma de estar na música. Foi uma grande inspiração, e lembro-me sempre dele com grande respeito e admiração.

XM – Sente-se uma privilegiada por ter tido a oportunidade de trabalhar com nomes como Edward Tarr, Klaus Braker e Wolfram Lauel?

Susana Santos SilvaS.S.S. – Sim, claro. Aprendi bastante durante esse ano em Karlsruhe. E foi um grande privilégio poder estudar com o Prof. Edward Tarr.

XM – O Jazz esteve sempre em mente ao longo do seu percurso académico? Sempre admirou o Jazz e os seus intérpretes?

S.S.S. – O Jazz sempre esteve presente, principalmente desde que entrei para a Orquestra Jazz de Matosinhos, em 95. Através da OJM conheci e toquei com muitos dos músicos que hoje admiro. O Jazz foi-me dado a conhecer através desta orquestra e dos músicos que a integraram durante todos estes anos.

XM – O que pesou mais na sua decisão de ir realizar o Mestrado em Jazz Performance para Roterdão? Procurava já trabalhar com Eric Vloeimans, Jarmo Hoogendjik, Wim Both, Dick de Graaf e Kris Goessens?

Susana Santos SilvaS.S.S. – Quando decidi fazer o Mestrado a minha intenção era alargar horizontes. Não tinha tanto em mente uma escola específica ou um professor com quem quisesse muito trabalhar. Mas já conhecia o Eric Vloiemans (particularmente por este ter tocado com a OJM há uns anos atrás) e achei que seria alguém muito interessante com quem trabalhar.

XM – Há certamente momentos que não esquecerá na sua carreira... A gravação de CD's com respeitados nomes do mundo musical e atuar com outros tantos consagrados músicos deixa sempre marcas... Pode recordar alguns desses momentos mais marcantes da sua vida enquanto performer?

S.S.S. – Já começam a ser muitos, esses momentos, e às vezes não são necessariamente aqueles que à partida prometem ser especiais. Há pequenos momentos de magia que acontecem com músicos que acabamos de conhecer, por vezes em situações improváveis de se revelarem marcantes e que afinal nos marcam e enriquecem profundamente.
Mas muito sucintamente destaco o concerto com a OJM e o Lee Konitz no Carnegie Hall, na celebração do seu 80º aniversário, e a gravação do segundo disco dos LAMA para a Clean Feed que teve com o convidado especial o saxofonista Chris Speed.

XM – Quais os projetos que integra neste momento?

Susana Santos SilvaS.S.S. – os projetos que estão ativos neste momento são, os LAMA, um trio que gravou este ano o seu segundo disco na Clean Feed com o Chris Speed como convidado; um duo com o contrabaixista sueco, Torbjorn Zetterberg, cujo primeiro disco foi editado este ano também na Clean Feed; um duo com o baterista Jorge Queijo (o vinil de estreia sairá este mês pela Wasser Bassin); um duo com uma pianista eslovena, Kaja Draksler; um projeto com o trio belga, De Beren Gieren; sendo estes 2 últimos registados em disco talvez durante o próximo ano... Faço ainda parte do novo sexteto do Torbjorn Zetterberg, com o qual gravei em agosto passado o disco que será editado em breve; faço parte do novo projeto do João Guimarães, que vai estrear esta semana no Festival de Jazz de Guimarães e que será editado pela TOAP; e faço parte do Coreto, a banda que pelas mãos do João Pedro Brandão, surgiu no seio da Associação Porta-Jazz e que foi editado pelo seu Carimbo (o selo discográfico da associação). Na forma está um novo quarteto com o João Guimarães, o Torbjorn Zetterberg e o Marcos Cavaleiro. Terei mais novidades... em breve...

XM – Considera que Portugal está no "bom caminho" no que concerne ao ensino e à aprendizagem do Jazz? Há mercado para os músicos de jazz que formamos?...

Susana Santos SilvaS.S.S. – Não sei... Há muitos músicos e poucos espaços onde tocar. Acontece então que os músicos, não tendo onde tocar, tenham obrigatoriamente que dar aulas para subsistir. Até que vão existir demasiados músicos, sem poderem fazer disso a sua fonte primeira de trabalho, e consequentemente, mais professores que não terão onde dar aulas... e depois? Mas isto é só o meu lado pessimista a pensar alto. Continuo a achar que vale a pena lutarmos por aquilo em que acreditamos e que nos apaixona.

XM – Agradecemos novamente a oportunidade que deu ao XpressingMusic de conhecer mais de perto o seu trabalho e o seu pensamento. Para terminar, goraríamos que nos dissesse se já existe um sucessor para o álbum "Devil's Dress" gravado em 2011 pelo Quinteto Susana Santos Silva e se há espetáculos onde a possamos ver e ouvir em breve.

S.S.S. – Ainda não existe, mas um dia destes quem sabe...
Os meus próximos concertos para o mês de Novembro... toco no dia 10 no Festival de Jazz de Guimarães com o novo projeto do João Guimarães; no dia 16 de Novembro é a apresentação do novo disco do duo com o Jorge Queijo, no Passos Manuel, Porto; dia 21 e 23 toco em duo com a Kaja Draksler, respetivamente, na Tone (Coimbra) e na Porta-Jazz. Em Dezembro toco, no dia 1, com a OJM na Casa da Música e dias 7 e 8 estarei a tocar no 3º Festival Porta-Jazz com vários projetos. Dia 12 toco na Sonoscopia, Porto, com o Torbjorn Zetterberg e o Gustavo Costa.

Susana Santos Silva

Artway
APORFEST - Associação Portuguesa Festivais Música
Fnac
Bilheteira Online